Ame-se

Querer-nos nos faz bem, nos faz felizes. E é o melhor presente que podemos oferecer aos outros...

separador
Uma mulher jovem imaginando algo agradável.

Os desejos são essenciais nas nossas vidas. São como a bússola que guia nossos passos, que nos indica a direção na qual queremos avançar. Permitem-nos eleger entre diferentes opções em todos os aspectos da vida. E é esse anseio de ver cumpridos nossos desejos o que mobiliza a nossa energia e possibilita que nos dediquemos com entusiasmo e alegria àquelas atividades que mais gostamos.

Mas com frequência experimentamos a confusão de acreditar que a felicidade depende do cumprimento desses desejos, que se transformam, então, em apegos. E por cometer esse erro inevitavelmente pagamos um alto custo: experimentamos uma grande frustração, distanciamos a possibilidade de sentir-nos plenamente felizes… e finalmente o mais provável é de não conseguirmos isso que tanto desejávamos.

No seguinte vídeo dois amigos muito especiais têm o legítimo desejo de sair para caçar juntos, mas inesperadamente o apego se apodera deles:

“A fox tale” (Um conto da raposa), de Thomas Bozovic, Alexandre Cazals, Julien Legay, Chao Ma.

Aproveitar ou desejar?

A Lei da Atração propõe nos enfocarmos precisamente nessas coisas, situações o relações que gostaríamos de incorporar nas nossas vidas. E os desejos constituem o primeiro passo para determinar o que exatamente queremos alcançar. Mas a atitude que favorece o cumprimento dessas metas não é a desejar intensamente (transformando, então, esses desejos em apegos), mas sim a de aproveitar, imaginando com o maior grau de detalhes que esses desejos já se realizaram e formam parte da nossa realidade atual.

Visualização Criativa

Uma mulher jovem imaginando algo agradável.

A visualização criativa é uma técnica simples e muito poderosa… além de muito agradável de praticar.

Propõe abandonar a posição passiva de ficar ansiando essas coisas ou condições que tanto desejamos e começar a exercer nosso milagroso poder criador.

Consiste em imaginar que nossos desejos já se cumpriram criando em nossa mente, com o maior grau de detalhe possível, todas as imagens, sensações e emoções que correspondam a essa situação que desejamos, tal como se já fosse real.

Basicamente o que fazemos ao praticar a visualização criativa é deixar de desejar para começar a desfrutar. Porque enquanto permanecemos na posição de simplesmente desejar, o que estamos fazendo é reforçar as condições de carência nas quais nos encontramos.

Aqui mais informações sobre essa técnica: Visualização Criativa

Capa da Reality Transurfing I, de Vadim Zeland

Outra forma na qual os apegos “nos aprisionam” é descrita em detalhes por Vadim Zeland na sua trilogia “Reality Transurfing”. Trata-se dessas situações nas quais optamos tomar partido por uma posição e rejeitamos com energia as outras opções. Um bom exemplo é a política, já que com frequência as pessoas defendem certas ideias e combatem outras de signo oposto, ignorando que desta maneira só reforçam a situação de enfrentamento. De vez em quando, eu mesmo termino discutindo sobre política, ainda que comprovo, uma e outra vez que é muito raro que alguém mude de opinião… as argumentações de cada um parecem reforçar ainda mais as convicções do outro.

Ainda que seus livros, ainda, não estão traduzidos para o português, vale a pena compartilhar estas reflexões de Vadim Zeland. A realidade seria como uma exposição de arte. É possível que não gostemos de uns dos quadros, mas não tem sentido que reclamemos para que os mudem. Se o fizéssemos, se começássemos a protestar, não nos fariam caso. E se finalmente, com nossas queixas gerássemos um escândalo, provavelmente, nos colocariam pra fora do lugar, sem considerar nossas reclamações. O melhor é continuar percorrendo a exposição até encontrar outros quadros que realmente gostemos.

A realidade se comporta de uma maneira similar. De acordo com a Lei da Atração podemos modificar nossa realidade individual, como quem decide se deslocar de uma sala a outra dentro da exposição. Mas se cismamos que o governo, o país ou o mundo mudem a nosso gosto, seguramente, contrariando o que as outras pessoas desejam, a realidade não pode nos satisfazer e simplesmente nos colocará de lado para continuar enriquecendo as vidas daqueles que, sim, respeitam suas regras.

Axel Piskulic

Tradução de Ana Lúcia de Melo

Finalmente um vídeo que só está aqui porque é muito belo… e porque a história também trata sobre uma menina e uma raposa…

Curta-metragem “The Girl and the fox” (A menina e a raposa), de Tyler J. Kupferer.
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

Os últimos tempos foram para mim de muita aprendizagem, de muita atividade. Nesta etapa minha atenção se centra na prática da Lei da Atração, entre outras coisas lendo a trilogia “Reality Transurfing”, cujo autor é Vadim Zeland e que trata sobre a Lei da Atração, mas com um enfoque muito original.

Sempre que estou assim “ocupado” passam semanas sem que haja novos artigos neste blogue. Quisera então deixar aqui esta reflexão:

Sentir-se bem é fácil, amar-se é algo natural, viver conscientemente o “aqui e o agora” e desfrutar com plenitude do momento presente é a coisa mais simples do mundo… no entanto, também é verdade que para alcançar essas metas muitas vezes temos que trabalhar duro e sustentar esse esforço ao longo do tempo.

Clique sobre a imagem para ampliá-la…

Mapa para chegar ao refúgio interno

Percorrer as simples etapas representadas neste excelente desenho é muito fácil, mas desenvolver a capacidade de viver permanentemente nesse último “refúgio”, que representa o estado de bem-estar que tanto desejamos, seguramente demandará de nós constante dedicação.

De todo labirinto se sai por cima

A solução de qualquer problema costuma ser muito simples, mas encontrá-la muitas vezes é uma tarefa que requer nosso esforço e compromisso e costuma implicar a incorporação de novos conhecimentos e o desenvolvimento de novas habilidades. “De todo labirinto se sai por cima” dizia o escritor Leopoldo Marechal, mas descobrir essa “nova dimensão” que permite a imediata solução de certos problemas talvez não seja algo tão fácil e imediato.

O Dr. Ihaleakalá Hew Len, graças a quem conhecemos a técnica de Ho’oponopono, sempre declara que em nenhum momento deixa de aplicar essa técnica em sua própria vida com a finalidade de continuar evoluindo. Cada vez que por sua atividade profissional se encontra com pessoas que compartilham com ele seus problemas, ele aplica Ho’oponopono para curar a sua própria mente.

E como provavelmente nosso destino seja também continuar aprendendo ao longo de toda nossa vida é uma excelente ideia aceitar esse destino como uma bênção e continuar percorrendo nosso caminho pessoal com serenidade e alegria.

Axel Piskulic

A técnica de Ho’oponopono e a Lei da Atração

Honestamente este título é só uma desculpa para compartilhar os seguintes vídeos.

O primeiro é muito apropriado para uma página de internet como esta porque promove valores positivos e tem uma mensagem esperançosa e otimista. E sempre temos que recordar que a Lei da Atração nos permite criar de maneira consciente uma realidade melhor.

E o segundo é um desses vídeos que não deveriam estar aqui… mas que sempre dou um jeito para compartilhar de todas as maneiras! É de duvidoso bom gosto e de um humor muito discutível. E aplicar a técnica de Ho’oponopono nos permite curar nossa mente precisamente cada vez que nos encontramos inesperadamente com algo de que não gostamos…

Axel

Tradução de Ana Lúcia de Melo
Curta-metragem “Marin”, de Alexandre Bernard, Pierre Pages e Damien Laurent.
Curta-metragem “Monkey Spoon”, de John Turello.
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

Foto de um homem feliz, que expressa gratidão.

Em todo momento estamos criando nossa realidade, ainda que muitas vezes o fazemos sem percebermos, de maneira inconsciente. Toda vez que nossos pensamentos e emoções se concentram em algo, nós o estamos atraindo para nossas vidas… inclusive se se tratam daquelas situações que não desejamos ou que rejeitamos (problemas, conflitos, etc.).

Todos queremos nos sentir bem, em paz, em harmonia. Todos queremos viver em abundância. Mas com frequência nossa busca do “bom” se parece mais a uma tentativa de escapar do “mau” (a dor, o temor, a escassez, as preocupações de cada dia). Vale a pena se deter aqui e pensar nisso por um momento…

Cada vez que nos concentramos naquilo que não queremos, nessas coisas ou experiências que rejeitamos, o poder da nossa atenção o reforça, o atrai para as nossas vidas. Assim acontece com tudo contra o que lutamos, isso do qual tratamos de nos liberar, que queremos vencer. Tudo aquilo que resistimos, persiste.

Nossa mente inconsciente tem um infinito poder criador… e parece que toma nossos pensamentos literalmente, que não tem sentido de humor:

Curta-metragem “Summer Bummer” (algo assim como “Charlatão do verão”), de Bill Plympton.

O querido Facundo Cabral também nos lembra, com a seguinte frase, de que nosso inconsciente toma nossos pensamentos de maneira literal, sem entender brincadeiras ou ironias:

Não diga não posso nem de brincadeira, porque o inconsciente não tem sentido de humor, ele o levará a sério, lhe fará lembrar toda vez que você tentar. (Facundo Cabral)

O vídeo seguinte é muito original. Vale a pena vê-lo algumas vezes para poder apreciar todos os detalhes. E também nos convida para refletir sobre o milagroso poder de criação que têm nossas expectativas:

Este último vídeo na realidade é uma publicidade e seu título é muito apropriado: “A sorte é uma atitude”. Claramente nossa atitude influi sobre as pessoas com as que nos relacionamos e determina nossa “sorte” em qualquer circunstância. Este é outro aspecto onde podemos ver em ação a Lei da Atração, porque isso que chamamos de “atitude” revela quais são as nossas emoções e nossas expectativas a respeito do que acontecerá.

Publicidade de Martini: “A sorte é uma atitude”.

Como aplicar a Lei da Atração

Primeiro, agradecer…

  • Todo nosso descontentamento por aquilo do que carecemos procede da nossa falta de gratidão pelo que sim temos.”

    Daniel Defoe

Experimentar uma profunda gratidão pelo que somos ou pelo que atualmente temos é um requisito prévio que devemos cumprir se pretendemos aplicar a Lei da Atração de maneira consciente. À primeira vista isto pode parecer uma contradição já que normalmente “descobrimos” a Lei da Atração quando sentimos algum grau de insatisfação, quando queremos mudar aspectos das nossas vidas com os quais não estamos conformes. Mas todos os Mestres e todas as Tradições coincidem em que é fundamental apreciar e agradecer antes de tudo a nossa condição atual.

A ideia é experimentar gratidão cada vez que seja possível e incorporar essa atitude de maneira permanente nas nossas vidas. Em qualquer circunstância ou lugar podemos expressar mentalmente nosso agradecimento em relação com o que estamos vendo ou experimentando. Quase em qualquer situação ou encontro há sempre algo positivo para agradecer. E como os pensamentos têm o milagroso poder de “atrair”, nos irão acontecendo outros aspectos positivos relacionados pelos quais também poderemos agradecer.

Foto de um homem feliz, que expressa gratidão.

É especialmente importante agradecer também o que habitualmente recebemos como problemas, conflitos ou perdas. Normalmente inclusive as circunstâncias desfavoráveis, as más notícias, encerram algo positivo pelo que podemos agradecer de maneira sincera. As perdas apresentam um desafio do qual sairemos fortalecidos, os conflitos nos obrigam a desenvolver virtudes e a nos tornarmos “mais sábios”, as crises sempre são oportunidades de crescimento.

É muito importante não rejeitar essas situações “negativas”, não lutar contra elas, se o que queremos é superá-las definitivamente e experimentar uma mudança profunda e duradoura nas nossas vidas. Novamente: tudo o que resistimos, persiste.

Neste ponto me encontro atualmente, praticando exercícios como este. Sempre que posso dedico uns minutos para agradecer. Agradeço pelo que sou, pelo que tenho e também pelo que recebi ao longo da vida. Agradeço cada relação, cada encontro, cada experiência.

Então… aproveito esta oportunidade para lhe agradecer profundamente a sua visita a este site e que você tenha ficado lendo este artigo tão comprido até o final…!!!

Axel Piskulic

Tradução de Ana Lúcia de Melo
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

line