Ame-se

Querer-nos nos faz bem, nos faz felizes. E é o melhor presente que podemos oferecer aos outros...

separador

Pergunta: Como faço para transmitir estas “ideias espirituais” tão valiosas para meu companheiro, meus filhos ou meus colegas de trabalho?

Talvez o melhor que podemos fazer pelos outros seja aplicar estas ideias em nossas próprias vidas. Os demais se interessarão se notam a diferença por meio de nossas mudanças, se sentem que realmente temos algo valioso para compartilhar.

No entanto, há algo muito positivo que podemos fazer para colaborar na difusão dessas ideias e ao mesmo tempo avançar no nosso próprio processo de aprendizagem. Podemos compartilhar aquelas lições que nos cabe aprender, mas sempre cuidando de não tratar de impô-las a ninguém. A ideia não é esperar conhecer profundamente algum tema para começar a divulgá-lo, mas sim em aproveitarmos da energia que se coloca em movimento ao intercambiar ideias com os demais para completar nossa própria aprendizagem.

Ensinar é aprender duas vezes.”

Joseph Joubert

Hoje em dia existem diferentes recursos aos que se podem aceder com facilidade. As redes sociais facilitam ao máximo a possibilidade de compartilhar ideias e podemos criar uma conta no Twitter ou no Facebook em poucos minutos. Inclusive podemos implementar um blogue sem ter nenhum conhecimento prévio. “Ame-se” nasceu assim, faz alguns anos, o dia que compreendi que ainda tinha pendente uma lição muito importante: aprender a me querer a mim mesmo.

Uma criança desenhando borboletas com uma pena (Título: Unlimited Thought; Autor: Mathiole)
A ilustração é de Mathiole

Todos estamos avançando no processo de aprender e ao decidir-nos a compartilhar alguma informação atrairemos as pessoas cujo nível de conhecimento seja o adequado para se beneficiar do que temos para oferecer.

O que você ensina o reforça em você ao compartilhá-lo. Cada lição que você ensina é uma lição que você mesmo está aprendendo… Você aprende tudo o que ensina.”

Um Curso em Milagres (Cap. 6, III)

O ato de compartilhar beneficia sempre tanto ao que dá como ao que recebe. Mas esta verdade resulta especialmente evidente quando nos referimos a compartilhar ideias (em vez de coisas materiais) já que depois da troca todos ficam em posse da informação compartilhada.

Axel Piskulic

Tradução de Ana Lúcia de Melo
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

line