Ame-se

Querer-nos nos faz bem, nos faz felizes. E é o melhor presente que podemos oferecer aos outros...

separador

Diferentes temas de caráter “espiritual”, como a Lei da Atração, a identificação com o ego, a “separação” e a capacidade de amar incondicionalmente, têm uma relação muito estreita com o grau de consciência com o que experimentamos no momento presente.

Uma adolescente desfrutando o momento presente
Foto de Rona Keller

Eckhart Tolle relaciona a possibilidade de alcançar a prosperidade nas nossas vidas com a experiência de viver plenamente o momento presente:

Eckhart Tolle

Foto de Eckhart Tolle

Pergunte-se qual “problema” você tem agora mesmo, não no próximo ano, amanhã ou dentro de cinco minutos. O que está ruim neste momento?

Por exemplo, muita gente espera que lhe chegue a prosperidade, mas esta não pode chegar no futuro. Quando você honra, reconhece e aceita plenamente a sua realidade presente (onde você está, quem é e o que está fazendo agora mesmo), quando você aceita plenamente aquilo do que você dispõe, então agradece o que você tem, agradece o que é, agradece Ser. A verdadeira prosperidade é sentir-se agradecido pelo momento presente e pela plenitude da vida agora mesmo. Não pode chegar no futuro. Mais adiante, com o tempo, essa prosperidade se manifestará de diversas formas.

de “Praticando O Poder do Agora”

Também o amor por nós mesmos é uma consequência natural de experimentar plenamente o momento presente. Compreendendo que neste brevíssimo instante não há carências nem fracassos, como assinala Tolle, então, não há razões para reclamarmos de nada a nós mesmos, nem para apontarmos erros nem fazermos censuras. Dessa maneira fica mais fácil aceitar-nos tal como somos, já não podemos nos sentirmos iludidos por sermos quem somos ou por fazer o que fazemos. Então, podemos experimentar de maneira espontânea o amor incondicional por nós mesmos. E amar-nos a nós mesmos é imprescindível para podermos amar aos demais.

Além do mais, a experiência de separação (de Deus, dos demais, da Natureza) é consequência de vivermos “desconectados” do momento presente. O contínuo discurso de nossos pensamentos (a essência mesma do ego), monopoliza nossa atenção e nos distrai da única experiência real a nosso alcance: viver plenamente o momento presente. Diz Eckhart Tolle:

A razão pela qual vivemos na ilusão da separação é o pensamento compulsivo. É quando permanecemos presos na torrente incessante de pensamentos compulsivos de que o Universo realmente se afasta de nós e perdemos a capacidade de sentir a conexão entre tudo o que existe.

de “Um Novo Mundo”

E, por último, um vídeo que talvez sirva para comprovar como a nossa atenção se vê atraída mais pelas ideias que pelos simples fatos que nos propõe o momento presente…

Axel Piskulic

“Quem fez isso?”, de Transport for London.
“Quem fez isso?”, de Transport for London.
Tradução de Ana Lúcia de Melo
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

line