Ame-se

Querer-nos nos faz bem, nos faz felizes. E é o melhor presente que podemos oferecer aos outros...

separador

Um pouco de humor, para recuperar o bom humor

Rirmos e nos rodearmos de pessoas com o riso contagioso definitivamente nos faz bem…!!!

Curta-metragem “Laughs!” (Gargalhadas!), de Everynone.

É muito importante dedicar tempo para fazer as coisas das quais nós gostamos. Este vídeo (na realidade a propaganda de um portal de busca de emprego) é uma boa recordação.

Além do mais…

Podemos viver qualquer situação ordinária como o momento único e exclusivo na que realidade é…

Imagem animada de um casal dançando na cozinha

…ou sair com os amigos, ou ir a uma festa…

Imagem animada de uma festa à noite ao ar livre

…ou simplesmente fazermos uma pausa para tomarmos um café…

Imagem animada de uma mulher bebendo café

…ou nos vestirmos elegantes, ainda que não seja uma ocasião especial…

Imagem animada de uma mulher elegante, detalhe de sua saia e sapatos

…prestando atenção a cada detalhe, a cada um dos pequenos milagres que encerra o momento presente.

Imagem animada de chuva em uma poça de água no outono
As imagens são de Jamie Beck

Quando deixamos de nos sentir bem

Lendo alguns dos artigos deste blogue se poderia pensar que qualquer pessoa que aplique umas “simples receitas” estaria às portas de alcançar a iluminação ou algo parecido.

No entanto, inclusive quando cheguemos a conhecer certas técnicas para avançar neste caminho de autoconhecimento, muitas vezes não somos capazes de aplicá-las o tempo suficiente, as atividades de todos os dias nos distraem, nos esquecemos, pensamentos negativos começam a alimentar as emoções negativas… e deixamos de nos sentir bem.

Isso me aconteceu nas últimas semanas…!!!

Preparei, então, uma série de estratégias para quando “saímos do caminho”. Não são simples “receitas”, mas sim, idéias muito básicas e gerais. São várias e certamente haverá muitas mais. Os recursos ao nosso alcance costumam se apresentar assim: numerosos, diferentes e podemos escolher o que melhor se ajusta a nossas preferências.

16 maneiras de amarrar cadarços
Há diferentes maneiras de resolver um mesmo problema… (imagens de Ian’s Shoelace Site)

A Oração

Em qualquer momento no qual percebemos que não nos sentimos bem, que agimos mecanicamente, no mesmo instante que advertimos que não estamos “no nosso centro”, podemos dedicar apenas um momento a pronunciar mentalmente uma breve oração pedindo a claridade, o equilíbrio e a alegria que perdemos.

É muito importante reconhecer com humildade que não somos nós os responsáveis pela nossa própria evolução. Há um Poder Superior que literalmente nos transforma, mas só se nos rendemos a Ele.

Ho’oponopono

Sempre é bom aplicar a técnica de Ho’oponopono, dizendo mentalmente: “Sinto muito, Eu te amo”, (podemos adicionar também “Por favor, perdoa-me e Obrigada”), dirigindo-nos à Divindade, reconhecendo nossa responsabilidade pela realidade (incluída nossa própria realidade emocional) que criamos a cada instante.

Observarmos a nós mesmos

Podemos por uns momentos tomar distância do que estamos fazendo e pensando, e simplesmente observarmos sem interferir com o discurso dos nossos pensamentos. A simples observação desses processos negativos, que habitualmente são “automáticos”, os faz conscientes e os debilita.

Sempre é melhor reconhecer e aceitar que estamos “fora do nosso centro” que nos forçar, que nos obrigarmos a mudar de atitude. O que resistimos, persiste.

Meditar

Por meio da meditação criamos as condições para que possam se produzir mudanças naturais e positivas na nossa mente, ao interromper transitoriamente a identificação com nosso ego.

Há muitíssima informação disponível na internet sobre as diferentes técnicas de meditação. Basta eleger alguma que nos pareça agradável de praticar, para quem não tiver nenhuma experiência, talvez seja uma boa ideia simplesmente se recostar durante 20 minutos e respirar lentamente, se concentrando exclusivamente nas sensações produzidas pelo ar ao respirar e expirar. A ideia é interromper a interminável e desgastante corrente dos nossos pensamentos e nos conectarmos de maneira consciente com o momento presente.

Ler, escutar música, sair para caminhar

Qualquer atividade que serene a nossa mente e que nos devolva a paz, a serenidade e a alegria é um excelente caminho para recuperar o equilíbrio perdido.

Quando estiver entusiasmado, “para cima” se mantenha ali. E quando estiver “para baixo”… durma. Ou faça algo para mudar o seu estado. O que pode conseguir quando estiver “para cima” é mil vezes mais efetivo e benéfico que o que puder fazer com muito esforço estando fora do seu centro.

Esther Hicks

Aceitar… mas perseverar

Por último, aceitação e perseverança são duas valiosas virtudes que de nenhuma maneira se excluem entre si. É necessário aceitar incondicionalmente o momento presente, reconhecer tudo o que nos oferece e agradecê-lo plenamente, inclusive se estamos “fora do nosso centro”. Mas também nesses momentos de confusão podemos perseverar fazendo o que estiver ao nosso alcance (mesmo que só seja esperar pacientemente!) para continuar com nossa aprendizagem.

Axel Piskulic

Tradução de Ana Lúcia de Melo
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

Foto de um homem feliz, que expressa gratidão.

Em todo momento estamos criando nossa realidade, ainda que muitas vezes o fazemos sem percebermos, de maneira inconsciente. Toda vez que nossos pensamentos e emoções se concentram em algo, nós o estamos atraindo para nossas vidas… inclusive se se tratam daquelas situações que não desejamos ou que rejeitamos (problemas, conflitos, etc.).

Todos queremos nos sentir bem, em paz, em harmonia. Todos queremos viver em abundância. Mas com frequência nossa busca do “bom” se parece mais a uma tentativa de escapar do “mau” (a dor, o temor, a escassez, as preocupações de cada dia). Vale a pena se deter aqui e pensar nisso por um momento…

Cada vez que nos concentramos naquilo que não queremos, nessas coisas ou experiências que rejeitamos, o poder da nossa atenção o reforça, o atrai para as nossas vidas. Assim acontece com tudo contra o que lutamos, isso do qual tratamos de nos liberar, que queremos vencer. Tudo aquilo que resistimos, persiste.

Nossa mente inconsciente tem um infinito poder criador… e parece que toma nossos pensamentos literalmente, que não tem sentido de humor:

Curta-metragem “Summer Bummer” (algo assim como “Charlatão do verão”), de Bill Plympton.

O querido Facundo Cabral também nos lembra, com a seguinte frase, de que nosso inconsciente toma nossos pensamentos de maneira literal, sem entender brincadeiras ou ironias:

Não diga não posso nem de brincadeira, porque o inconsciente não tem sentido de humor, ele o levará a sério, lhe fará lembrar toda vez que você tentar. (Facundo Cabral)

O vídeo seguinte é muito original. Vale a pena vê-lo algumas vezes para poder apreciar todos os detalhes. E também nos convida para refletir sobre o milagroso poder de criação que têm nossas expectativas:

Este último vídeo na realidade é uma publicidade e seu título é muito apropriado: “A sorte é uma atitude”. Claramente nossa atitude influi sobre as pessoas com as que nos relacionamos e determina nossa “sorte” em qualquer circunstância. Este é outro aspecto onde podemos ver em ação a Lei da Atração, porque isso que chamamos de “atitude” revela quais são as nossas emoções e nossas expectativas a respeito do que acontecerá.

Publicidade de Martini: “A sorte é uma atitude”.

Como aplicar a Lei da Atração

Primeiro, agradecer…

  • Todo nosso descontentamento por aquilo do que carecemos procede da nossa falta de gratidão pelo que sim temos.”

    Daniel Defoe

Experimentar uma profunda gratidão pelo que somos ou pelo que atualmente temos é um requisito prévio que devemos cumprir se pretendemos aplicar a Lei da Atração de maneira consciente. À primeira vista isto pode parecer uma contradição já que normalmente “descobrimos” a Lei da Atração quando sentimos algum grau de insatisfação, quando queremos mudar aspectos das nossas vidas com os quais não estamos conformes. Mas todos os Mestres e todas as Tradições coincidem em que é fundamental apreciar e agradecer antes de tudo a nossa condição atual.

A ideia é experimentar gratidão cada vez que seja possível e incorporar essa atitude de maneira permanente nas nossas vidas. Em qualquer circunstância ou lugar podemos expressar mentalmente nosso agradecimento em relação com o que estamos vendo ou experimentando. Quase em qualquer situação ou encontro há sempre algo positivo para agradecer. E como os pensamentos têm o milagroso poder de “atrair”, nos irão acontecendo outros aspectos positivos relacionados pelos quais também poderemos agradecer.

Foto de um homem feliz, que expressa gratidão.

É especialmente importante agradecer também o que habitualmente recebemos como problemas, conflitos ou perdas. Normalmente inclusive as circunstâncias desfavoráveis, as más notícias, encerram algo positivo pelo que podemos agradecer de maneira sincera. As perdas apresentam um desafio do qual sairemos fortalecidos, os conflitos nos obrigam a desenvolver virtudes e a nos tornarmos “mais sábios”, as crises sempre são oportunidades de crescimento.

É muito importante não rejeitar essas situações “negativas”, não lutar contra elas, se o que queremos é superá-las definitivamente e experimentar uma mudança profunda e duradoura nas nossas vidas. Novamente: tudo o que resistimos, persiste.

Neste ponto me encontro atualmente, praticando exercícios como este. Sempre que posso dedico uns minutos para agradecer. Agradeço pelo que sou, pelo que tenho e também pelo que recebi ao longo da vida. Agradeço cada relação, cada encontro, cada experiência.

Então… aproveito esta oportunidade para lhe agradecer profundamente a sua visita a este site e que você tenha ficado lendo este artigo tão comprido até o final…!!!

Axel Piskulic

Tradução de Ana Lúcia de Melo
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

Algumas ideias breves, alguns vídeos interessantes…

Somos únicos…

O vídeo seguinte, publicidade de um canal de televisão infantil francês, é muito bom e muito original… mesmo que o fim seja um pouco desconcertante.

Na realidade não há nada que justifique a desilusão do urso panda (ou a do menino, que é quem está imaginando tudo). É que não há nada de ruim nas cores do panda ou, melhor, na sua falta de cores. Ao contrário, sua imagem é única, perfeita, inconfundível…

  • O que lhe faz único, é o que lhe fará bem-sucedido.”

    William Arruda

Em seguida um enlace para recordar o importante que é sermos nós mesmos:

Criamos nossa realidade…

Se a Lei da Atração realmente funciona não pode haver nada mais importante que aprender a aplicá-la de maneira consciente, porque é a que governa cada aspecto das nossas vidas desde os mais insignificantes até os que mais nos interessam ou preocupam.

Tendemos a pensar que a Lei da Atração começa a funcionar de início desde o momento em que decidimos a aplicá-la de maneira consciente. Mas na realidade veio atuando ao longo de toda a nossa vida, de maneira que agora, no nosso presente, estamos “presos” numa realidade que fomos construindo com nossos pensamentos e emoções ao longo de muito tempo, razão pela qual não é possível mudá-la praticando só umas poucas vezes algum exercício de visualização criativa ou de afirmações positivas.

A realidade nos apresenta, então, como algo rígido, repetitivo, difícil de mudar. Essa parece ser a situação do inesquecível “Coiote” no seguinte vídeo. Tanto o Coiote como o Papaléguas compartilham o mesmo entorno e o mesmo momento presente, mas parecem viver em mundos diferentes…

Um enlace sobre nosso milagroso poder criador:

Ho’oponopono…

  • Tudo o que lhe incomoda de outros seres, é uma projeção do que você não resolveu em você mesmo.”

    Buda

O mundo que vemos todo dia não é mais que uma projeção do nosso “mundo interior”. Cada situação, agradável ou desagradável, que nos cabe viver responde aos nossos pensamentos e crenças, mesmo que não sejamos conscientes deles.

Em todos os eventos que nos afetam diretamente só estão se manifestando nossas próprias expectativas.

Em cada relação vemos refletida uma parte de nós mesmos. Cada característica, positiva ou negativa, que vemos nas pessoas que nos rodeiam não é mais que uma característica nossa que projetamos sobre essas pessoas.

  • O que você critica, está em você. O que não está em você, você não o vê.”

    Alejandro Jodorowsky

A técnica havaiana de Ho’oponopono é uma ferramenta muito valiosa para curar a nossa mente.

As coisas desagradáveis que vemos “fora” refletem áreas da nossa mente que necessitam de cura, sem que habitualmente sejamos conscientes desse processo.

Por meio da perseverante aplicação desta técnica podemos ir “limpando” nossa mente e nos liberando dos nossos próprios conflitos internos e dos juízos negativos que dirigimos, antes de tudo, contra nós mesmos, permitindo-nos desenvolver nossa autoestima e aprender a nos amarmos incondicionalmente. Só assim, curando primeiro nossas próprias “feridas”, poderemos logo nos relacionarmos amorosamente com os demais.

Axel Piskulic

Aqui mais informação sobre o Ho’oponopono:

Tradução de Ana Lúcia de Melo
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

line