Ame-se

Querer-nos nos faz bem, nos faz felizes. E é o melhor presente que podemos oferecer aos outros...

separador

A protagonista deste vídeo é muito talentosa, coloca verdadeira paixão no que faz e certamente é muito perseverante. Mas só consegue o que tanto deseja quando descobre um segredo inesperado, um desses detalhes importantíssimos que às vezes passamos batido mesmo que estejam diante de nós.

Kismet Diner, publicidade de Cornetto

Faz uns dias algo fez “clique” na minha cabeça, depois de longas conversas com meu amigo Alfredo Hoffmann. E também foi ele quem me recomendou esse excelente vídeo!

Em todo processo de aprendizagem, atravessamos diferentes etapas. O primeiro passo, normalmente, é tomar a decisão de começar a aprender e no último, se somos perseverantes, é dominar aquilo que estivemos estudando ou praticando.

Ao longo desse processo, sobretudo quando estamos estudando algo difícil ou complicado, vamos descobrindo certas chaves ou “segredos” que logicamente não conhecíamos quando começamos.

A imagem é de Tiago Hoisel
Um cientista louco celebrando uma descoberta (Autor: Tiago Hoisel)
Todos celebramos essas valiosas descobertas pessoais que tanto nos ajudam a evoluir.

Se queremos aprender, um instrutor experiente ou um bom livro pode ser um guia inestimável. Mas, finalmente cada um deve praticar até descobrir certos “truques” muito simples que são a chave para dominar isso que queremos aprender.

Faz uns dias me encontrei inesperadamente diante desses valiosos segredos. Demorei muito tempo para descobri-lo, talvez porque estava seguro de que já o dominava desde muitos anos.

Sinto que dei um passo muito importante. Mas, ao mesmo tempo, ao colocá-lo em palavras, parece algo muito simples e que eu já deveria saber muito bem porque há longos artigos neste blogue a respeito desse tema.

Aqui vai “minha descoberta”, expressada com simplicidade por Louise Hay:

Somos responsáveis cem por cento por todas as nossas experiências.

Louise L. Hay

A ideia não é nova para mim, mas, o que sim é uma novidade no meu caso é a profunda convicção que surgiu no meu interior a respeito da validade desta incrível afirmação e a certeza de que meu bem-estar e minha evolução dependem de que a reconheça como certa em todas as situações, sem exceções.

Ultimamente voltei a colocar a minha atenção na técnica de Ho’oponopono, mas percebi que mesmo que compreendesse e aceitasse sua mensagem central a respeito de que devemos aceitar cem por cento da responsabilidade por tudo o que forma parte da nossa realidade, muitas vezes na prática eu a “esquecia”. Continuava discutindo com as pessoas que me mostravam pontos de vista que me pareciam equivocados e continuava me queixando de aspectos da realidade que me desagradavam ou me incomodavam.

Podemos continuar debatendo com outras pessoas e expressando nossas opiniões com firmeza, mas, ao mesmo tempo com desapego, com tal que não nos esqueçamos de que realmente estamos envolvidos em tudo o que percebemos e que, além do mais, dediquemos uns valiosos instantes a pedir mentalmente a Divindade que cure a parte da nossa mente que convocou a nossa realidade os problemas ou conflitos que estivermos observando.

E se nos toca atravessar um momento difícil, de confusão ou de desalento, sempre podemos nos conectar a essa Fonte da qual todo Conhecimento procede (talvez repetindo mentalmente uma simples oração, usando nossas próprias palavras), para que nos envie sua energia, sua luz, para experimentarmos essas inesperadas revelações que nos ajudam a recorrer nosso caminho pessoal de autoconhecimento e iluminação.

Ilustração em 3D de uma lâmpada elétrica conectando-se a si mesma (Título: Selfillumination; Autor: André Kutscherauer)
A imagem é de André Kutscherauer

Todos nascemos com asas, nossa missão é aprender a voar.”

Curta-metragem “Garuda”, realizado por Gobelins.

Olhemos sempre em direção ao céu, em direção a esse potencial ilimitado que é nosso destino desenvolver. E um dia já muito próximo seremos os primeiros em nos surpreender ao descobrir que finalmente aprendemos essa misteriosa arte de voar.

Axel Piskulic

Tradução de Ana Lúcia de Melo

Por último, outros dois vídeos relacionados com o processo de aprender. Um é muito estimulante… e o outro muito divertido!

Curta-metragem “Leam” (Aprenda), de Rick Mereki.
Curta-metragem “Lifted (Abduzido), de Pixar.
Compartilhar este artigo no Google +

Se você gostou deste artigo, por favor...

Não se vá sem compartilhá-lo no Facebook, Twitter ou Google+

Não se vá sem deixar seu comentário

Não se vá sem se inscrever grátis por e-mail... Obrigado!

line